contato@goema.com.br Atendimento: (11) 3643-5177

Geral

A automatização e a racionalização crescentes no campo do processamento dos metais contribuíram para que também ocorressem a adequação e o desenvolvimento de tecnologias nos campos dos processos de tratamentos de superfícies.

É conhecido que os processos de revestimento adequados ã aplicação contribuem apreciavelmente para a qualidade do produto e o aumento da durabilidade dos materiais. A galvanotécnica funcional, aplicada ao campo da mecânica, se inclui entre os processos mais onerosos, mas que implica em maior relação custo-benefício.

A questão que, neste contexto, se coloca primordialmente à indústria galvânica subdivide-se nos seguintes aspectos: Adaptação do processo galvânico à problemática das tecnologias de produção, com a utilização de novas tecnologias, tais como a implementação de microssistemas, isto e uma integração “limitada” nas linhas de processamento, otimização dos processos galvânicos, garantias da qualidade, bem como a questão da proteção ambiental.

Devido a pressão, sempre crescente, dos fabricantes quanto a questões relativas a manutenção do padrão de qualidade ou de prazos de produção mais reduzidos, as empresas fornecedoras tornaram-se cada vez mais fornecedoras de sistemas.

A conseqüência é que os sub-fornecedores, e entre este se incluem as empresas galvânicas, precisam proceder a uma reestruturação de suas linhas de produção e de processo por meio de métodos de processamento mais flexíveis, com a utilização de sistemas de automatização de alta tecnologia. As empresas com linhas de processamento manual sentirão, no futuro, dificuldades ainda maiores para atender os requisitos dos fabricantes em relação a padronização de qualidade.

A estabilidade de um empreendimento, nos tempos atuais, depende dela poder trabalhar com um padrão técnico atualizado e isto só é possível, como mencionado acima, através da configuração da instalação de processamento, bem como dos processos de automatização. As implicações são evidentes.